A CADA DIA SINTO UMA EVOLUÇÃO EM MIM, DJ.TURA PRODUTOR ÁUDIO-VISUAL

ENTREVISTA

Simão Paulo Sampaio, conhecido como "Dj.Tura" é hoje o nosso convidado, produtor da Jumbo Produções. Músico desde 2000 e produtor desde 2004, apreciador de estilo Guetho Zouk e Naija, mas especialista em kuduro. Teve como sucesso de seu trabalho, a música "vamos lá" ao autor Madruga Yoyó.

Em nota ao Hold on Angola, conta-nos que começou a cantar em cassete com os amigos Discípulos do Jumbo, citando nomes como Azedon, Pex, Kenix, Bad-By e Paulo King. E que antes de ser chamado de Tura era Tourada.


Confira o resto da entrevista abaixo

1-O que achou do convite da Hold on Angola?

R: Amei e para já agradeço a equipe pelo bom trabalho que têm feito.

2- Quem é o Tura?

R: Tura é um jovem chefe de família, pai de 4 lindos meninos. Não consegui progredir nos estudos devido a certas situações econômicas do país. Eu trabalho com música (músico e produtor), outras coisas sobre mim é melhor me ouvir porque ninguém sabe tudo sobre você, "sorriu".

3 - Conte-nos um pouco sobre sua vida pessoal e profissional?

R: Posso dizer que a minha pessoal é uma bênção. Tenho duas lindas esposas, donas de casa e mães para meus filhos, embora às vezes alguns conflitos ("sorriu"), mas agradeço a Deus por tê-las.

Minha vida profissional é saudável, pois a cada dia sinto uma evolução em mim. Além disso, ao longo dos anos, adquiri muito conhecimento e hoje vejo muitos jovens que me têm como fonte de inspiração, estou muito feliz e agradeço a Deus.

4- Quando e como surgiu lado artistico e produtor? E como tem conciliado o trabalho e a família?

R: O lado artístico surgiu em 1997 como bailarino, era integrante do grupo Black Dance, ainda criança. Já em 1999 a 2000 havia uma paixão pela música e a produção. Em 2002 fui admirando alguns produtores da época, como Dj Du Marcel, Naum, Fox e outros. Porém, o lado artístico tem me afastado da família. É um trabalho enorme estar sempre atento e manter o equilíbrio, pois a música me quer na rua e a família em casa. No entanto, tentando não atropelar os lados.

5- Será que houve incentivo por parte de alguém na familia? E quem é a sua fonte de inspiração?

R: Ouve o incentivo da família sim, meu irmão Roque (falecido) foi o mentor e amava esse movimento. E sendo coadjuvado de seu elenco, Dj Nasc e Dj Helder, eu via nele algo tão puro e original, ele dançava, cantava e tocava e essa energia acabou me afetando, agradeço muito.

Meu irmão Roque foi a minha fonte de inspiração.

6 - Quais foram os momentos difíceis e bons na sua carreira pessoal e profissional?

R: Difícil foi quando fizemos o músico Madruga Yoyo ("Vamos lá") e na TV, rádio e revista mencionavam nomes de outros produtores. O músico deixou a produtora sem nenhuma satisfação, ignorando as conquistas;

Quando assaltaram meus matérias de Estúdio;

Outrossim, quando a morte da minha mãe e do meu irmão Roque, sinto que eles levaram minha paz, sabe? Sinto muito a falta deles, "disse".

Os bons momentos foram tantos e continuam acontecendo, por exemplo: minha carreira no auge, ganhei uma nova família, um nome profissional e respeito, enfim.

7- Será que atingiu o seu objectivo? Qual é o seu maior sonho?

R: Na verdade, sinto que ainda não fiz nada e estou apenas começando, os sonhos mudam com base na realidade, mas eu digo que o meu é ver o meu lá em cima e mostrar o mundo que tudo é possível.

8-Se pudesse mudar o mundo, o que mudaria?

R: Se pudesse, mudaria o coração das pessoas, lembrando-lhes que ninguém trouxe nada ao mundo e ninguém vai levar, tudo o que temos tem que ser compartilhado.

9- Considerações finais e agradecimentos.

R: Agradecendo a Deus por tudo o que tem feito, ao Hold On Angola, minha família, meus amigos, meus colegas e a vocês que aproveitaram para apreciar minha entrevista.
Muito obrigado!

Enviar um comentário

0 Comentários